Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]




images.jpg

 

“Até quando?” é a interrogação que mais vemos circular no Facebook nos últimos dias.

 

O que aconteceu foi de uma dureza brutal, e não existem palavras para o descrever. Mas não é disso que venho falar. Venho falar do “festival de decadente” que vai nas redes sociais.

As imagens que todos vimos são um duro acordar para a realidade, muitos continuam a viver em mundos cor de rosa onde vivem unicórnios azuis e dragões amarelos. Não olham além do seu mundinho pequeno ou do seu umbigo. Não olham pro lado. Para o seu vizinho, a não ser para o criticar. Não olham a natureza. Não olham a sua verdadeira Mãe. Recusam-se a ver a dor do mundo.

 

Pois bem, agora não tiveram como fugir da realidade. E está é bem feia e macabra.

 

Agora está tudo indignado. Indignados de bancada, digo eu, porque nunca fizeram nada, nem olharam para lá quanto mais fazer. E agora pedem responsabilidades? Não faz sentido. E não faz sentido porque nada vão fazer, vão-se limitar a repassar imagens a dizer que os bombeiros são heróis, e colocar capas nas fotos, ou repassar orações. Enfim. Isso não é nada.

Esses heróis não precisam de fotos no Facebook, precisam de meios e apoio no terreno.

Os fogos não precisam de políticos demitidos, precisam de terrenos limpos, de uma agricultura tradicional e sustentada, de espécies autóctones, de caminhos limpos, de caminhos de fogo abertos, de consciencialização e sobretudo de respeito.

E as pessoas precisam de paz, ajuda e bens. Não que as lembram constantemente do que se passou e lhes perguntem o que sentirão quando viram casa a arder ou quando souberem que x pessoa morreu.

 

Ontem já fiz uma publicação no meu Facebook pessoal que gerou alguma polémica, e dai surgir este post.

 

O post foi este:

“Vamos ter bom senso! Não deixem que o medo e desespero se aproveite.. sim estamos a precisar de chuva, e está prevista, não são orações ou correntes de oração que vão fazer chover mais...
Energias mexem se a outro nível.. respirem fundo e mantenham a vossa luz e calma.. Aprendam a ler energias antes de cair em "esoterismo barato"...

Desculpem me o desabafo mas estou cansada de ver tanta asneira..”

 

Ontem vi as maiores barbaridades que possam imaginar. E chega a um ponto que tem que se falar, senão a estupidez passa impune, mais uma vez.

Uma ressalva, antes que venham me acusar de atacar a fé alheia: cada um tem direito a sua fé e a expressá-la  da forma que acha correta. Porém, isso não me impede a mim de falar e explicar a energia que está pode detrás.

 

Estava prevista chuva desde ontem, furação Ofélia, e seria de esperar que mais cedo ou mais tarde fosse chover. Vi dezenas de apelos para rezarem para chover e mal caíram umas pingas a congratularem-se. “Que raio???? – pensei eu”.

Ora bem, eu também pedi aos Seres de Luz que mandassem chuva e aliviassem aquele inferno se tal fosse permitido. Existem factores que não são claros nem compreensíveis para nós e que governam certas situações.

Acho que cada um devia fazer o seu apelo, manter a calma e chamar a sua Luz, e não usar “esoterismo barato” para tal. Não acho correto. Pois apelam ao sofrimento e histerismo colectivo para algo, e a energia positiva não se mexe assim.

 

Atão pessoas que nunca quiseram saber da natureza de repente repassam duas orações que nem leem até ao fim e cái chuva?

Passar correntes de oração pelo Messenger?

Colocar amém numa foto?

Dizer que estes são desígnios de Deus?

Que ele não tem preferência por mim?

Isso não é espiritualidade. Isso não é energia. Isso não é nada.

 

Pior que isso, ontem vi mais de 4 publicações patrocinadas de pessoas que fazem trabalhos. Coincidência nê? Cuidado. Bom senso. Esse não é o caminho do meio. Alias, esse não é caminho nenhum.

 

Não se sinta atacados ou ofendidos. Está é a minha verdade. Está é a minha missão. Comunicar de forma racional e clara a Espiritualidade.

Redes sociais são livres, continuem a fazê-lo mas se aparece no meu feed eu vou falar. Perspectivas diferente são necessárias.

Um dia um professor de faculdade disse algo que eu levo pra vida: quando tiveres o teu projecto feito e achares que nada podes fazer para o melhorar, olha-o de forma crítica e desconstroi-o, destrói mesmo, encontra a suas fraquezas e muda-as, torna-as em força.

 

E está mais que na hora de tirar a Espiritualidade do buraco onde certos terapeutas a insistem em colocar.

 

Mas respondendo a pergunta “Até quando?”

  • Até as pessoas perceberem que as árvores e os animais da floresta também são responsabilidade sua;
  • Até as pessoas perceberem que até as urtigas devem ser protegidas;
  • Até as pessoas perceberem que a água deve ser poupada, que o lixo deve ser reciclado, que …;
  • Até as pessoas perceberem que sim tem voz e que pode ser ouvida;
  • Até as pessoas perceberem que as vezes é preciso dar 10 passos atrás na forma de fazer as coisas;
  • Até as pessoas perceberem que Deus nada tem a ver com isto;
  • Até as pessoas perceberem que a lei é para ser cumprida;
  • Até as pessoas perceberem que a culpa não é do governo;
  • Até as pessoas perceberem que a culpa também é sua;
  • Até as pessoas perceberem que podem fazer muito para evitar;
  • Até as pessoas perceberem que podem ajudar;
  • Até as pessoas assumirem a sua responsabilidade e fizerem a sua parte;
  • Até as pessoas deixarem de se esconder atrás de uma espiritualidade barata!

 

Tenho dito, lamento se ofendi. Vamos evoluir. Vamos crescer.

Enquanto fazemos rezas não chove.

 

Com Amor e Luz,

Joana Cristina Pinto

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:28




Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D


Links

  •  

  • Subscrever por e-mail

    A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

    Mensagens

    Blogs de Portugal


    Seguir